Uma ostra que não foi ferida
não produz pérolas
     



POSTs mais antigos:

Novembro de 2019
Outubro de 2019
Agosto de 2019
Junho de 2019
Abril de 2019
Março de 2019
Janeiro de 2019
Dezembro de 2018
Novembro de 2018
Outubro de 2018
Setembro de 2018
Agosto de 2018
Julho de 2018
Junho de 2018
Maio de 2018
Abril de 2018
Março de 2018
Fevereiro de 2018
Janeiro de 2018
Dezembro de 2017
Novembro de 2017
Outubro de 2017
Setembro de 2017
Agosto de 2017
Julho de 2017
Junho de 2017
Maio de 2017
Abril de 2017
Março de 2017
Fevereiro de 2017
Dezembro de 2016
Novembro de 2016
Outubro de 2016
Setembro de 2016
Agosto de 2016
Julho de 2016
Junho de 2016
Maio de 2016
Abril de 2016
Março de 2016
Fevereiro de 2016
Janeiro de 2016
Dezembro de 2015
Novembro de 2015
Outubro de 2015
Setembro de 2015
Agosto de 2015
Julho de 2015
Junho de 2015
Maio de 2015
Abril de 2015
Março de 2015
Fevereiro de 2015
Janeiro de 2015
Dezembro de 2014
Novembro de 2014
Outubro de 2014
Setembro de 2014
Agosto de 2014
Julho de 2014
Junho de 2014
Maio de 2014
Abril de 2014
Março de 2014
Fevereiro de 2014
Janeiro de 2014
Dezembro de 2013
Novembro de 2013
Outubro de 2013
Setembro de 2013
Agosto de 2013
Julho de 2013
Junho de 2013
Maio de 2013
Abril de 2013
Março de 2013
Fevereiro de 2013
Janeiro de 2013
Dezembro de 2012
Novembro de 2012
Outubro de 2012
Setembro de 2012
Agosto de 2012
Julho de 2012
Junho de 2012
Maio de 2012
Março de 2012
Janeiro de 2012
Dezembro de 2011
Novembro de 2011
Outubro de 2011
Setembro de 2011
Agosto de 2011
Junho de 2011
Maio de 2011
Fevereiro de 2011
Agosto de 2009
Julho de 2009
Junho de 2009
Maio de 2009
Abril de 2009
Fevereiro de 2009
Janeiro de 2009
Setembro de 2008
Julho de 2007
Junho de 2007
Maio de 2007
Abril de 2007
Março de 2007
Fevereiro de 2007
Janeiro de 2007
Dezembro de 2006
Novembro de 2006
Outubro de 2006
Setembro de 2006
Agosto de 2006
Julho de 2006



29 de Setembro de 2015

Divertido era chegar no último dia de aula e deixar o uniforme ser rabiscado por quem você mais gostava!

Tá, confesso. Minha mãe ficava brava às vezes.





28 de Setembro de 2015

Eu adorava desenhar na sala de aula...
E desenvolvi aquela técnica de ouvir sem olhar:

- Marcelo, de novo desenhando! O que é que eu acabei de falar??
E eu:
- Blá blá blá - Na mosca! E a professora irritada! :)



charge publicada no Jornal Notre News, do Colégio Notre Dame, em 1992, de minha autoria...





28 de Setembro de 2015

Achei uma lista de chamada nos meus souvenirs da adolescência...




22 de Setembro de 2015

Cantinho do Café




12 de Setembro de 2015

E aquela sorte que me acompanha quando estou ao comando de uma equipe de Hóquei em Patins...
Ao vencer o jogo de hoje contra o Clube Internacional de Regatas, por 2x1, no Canindé, a Associação Portuguesa de Desportos sagrou-se Campeã Paulista da temporada 2015, por antecipação.
Obrigado aos jogadores por me darem de presente mais este título!
Em frente!




07 de Setembro de 2015

O DIA MAIS TRISTE DO HÓQUEI FEMININO DO BRASIL


O dia 5 de outubro de 2006 foi o dia mais triste do Hóquei Feminino do Brasil.
A Seleção Brasileira, vice-campeã mundial de 2002 e 2004, disputava no Chile mais um Mundial.
Classificou-se em primeiro lugar no grupo, mas foi eliminada, depois de uma armação da Federação de Portugal.
O Brasil tinha eliminado Portugal nas semifinais dos dois Mundiais anteriores, e faria de novo mais um jogo decisivo contra eles.

A armação envolvia um suposto caso de doping da goleira da Seleção e tirou o Brasil da fase final.
Para piorar, a FIRS (Federação Internacional) obrigou o Brasil a disputar os jogos da poule B, ameaçando o país de suspensão por dois anos, prejudicando o mundial masculino e o infantil.

Até hoje eu me arrependo de ter aceitado entrar em campo, mesmo para vencer todos os jogos. O Brasil terminou o Mundial como única equipe invicta da competição. Portugal terminou eliminado do mesmo jeito, para o Chile, que terminou campeão, com uma derrota na campanha.

Esta foi a última vez que a dupla das Patrícias (Albuquerque e Perini) vestiram a camisa da seleção. Puro desgosto.
O Hóquei Feminino brasileiro quase acabou. O Brasil não participou dos Campeonatos Mundiais seguintes. Só voltou anos depois, sempre na condição de coadjuvante.

Foi também a última vez que eu fui o treinador da seleção.
Neste dia, o Brasil perdeu muito.
Pra sempre.




06 de Setembro de 2015

BRASIL 4x3 PORTUGAL - SEMI-FINAL DO MUNDIAL DE 2004


Para o Mundial de Hóquei sobre Patins feminino de 2004, eu já tinha voltado para o Brasil e estava afastado do hóquei profissional, quando fui convidado novamente para compor a equipe técnica da Seleção do Brasil.
Não havia muitas expectativas de repetir a brilhante campanha do Mundial de 2002, quando chegamos à final.
Convoquei a capitã Patricia Perini que já tinha se aposentado há 1 ano e repeti o time de 2002.
E chegamos na semi-final, de novo, para enfrentar Portugal, num bonito ginásio da cidade de Wuppertal, na Alemanha.

Portugal terminou vencendo o primeiro tempo por 2-0.
No intervalo, um torcedor de Portugal jogou a bandeira de Portugal no rosto da artilheira Patricia Albuquerque, em tom de provocação. O gesto anti-esportivo deste torcedor despertou a ira da atleta, que marcou 3 gols em sequência, e virou um jogo perdido.

Portugal empatou novamente, em pênalti de Raquel Pinto, mas Mariana Cabral fez mais um gol decisivo, classificando o Brasil para mais uma final de Campeonato Mundial.

Para a artilheira Patricia Albuquerque, este foi o melhor jogo de sua vitoriosa carreira esportiva.

Para mim, chegar em mais uma final, impensável. Neste mesmo dia, após o apito final, desabei em lágrimas por quase uma hora, num choro de sensações inesquecíveis...

 




 
Marcelo Martins de Albuquerque - ©1997-2019 Todos os direitos Reservados