Ser organizado e honesto dá sempre muito mais trabalho
     



POSTs mais antigos:

Novembro de 2019
Outubro de 2019
Agosto de 2019
Junho de 2019
Abril de 2019
Março de 2019
Janeiro de 2019
Dezembro de 2018
Novembro de 2018
Outubro de 2018
Setembro de 2018
Agosto de 2018
Julho de 2018
Junho de 2018
Maio de 2018
Abril de 2018
Março de 2018
Fevereiro de 2018
Janeiro de 2018
Dezembro de 2017
Novembro de 2017
Outubro de 2017
Setembro de 2017
Agosto de 2017
Julho de 2017
Junho de 2017
Maio de 2017
Abril de 2017
Março de 2017
Fevereiro de 2017
Dezembro de 2016
Novembro de 2016
Outubro de 2016
Setembro de 2016
Agosto de 2016
Julho de 2016
Junho de 2016
Maio de 2016
Abril de 2016
Março de 2016
Fevereiro de 2016
Janeiro de 2016
Dezembro de 2015
Novembro de 2015
Outubro de 2015
Setembro de 2015
Agosto de 2015
Julho de 2015
Junho de 2015
Maio de 2015
Abril de 2015
Março de 2015
Fevereiro de 2015
Janeiro de 2015
Dezembro de 2014
Novembro de 2014
Outubro de 2014
Setembro de 2014
Agosto de 2014
Julho de 2014
Junho de 2014
Maio de 2014
Abril de 2014
Março de 2014
Fevereiro de 2014
Janeiro de 2014
Dezembro de 2013
Novembro de 2013
Outubro de 2013
Setembro de 2013
Agosto de 2013
Julho de 2013
Junho de 2013
Maio de 2013
Abril de 2013
Março de 2013
Fevereiro de 2013
Janeiro de 2013
Dezembro de 2012
Novembro de 2012
Outubro de 2012
Setembro de 2012
Agosto de 2012
Julho de 2012
Junho de 2012
Maio de 2012
Março de 2012
Janeiro de 2012
Dezembro de 2011
Novembro de 2011
Outubro de 2011
Setembro de 2011
Agosto de 2011
Junho de 2011
Maio de 2011
Fevereiro de 2011
Agosto de 2009
Julho de 2009
Junho de 2009
Maio de 2009
Abril de 2009
Fevereiro de 2009
Janeiro de 2009
Setembro de 2008
Julho de 2007
Junho de 2007
Maio de 2007
Abril de 2007
Março de 2007
Fevereiro de 2007
Janeiro de 2007
Dezembro de 2006
Novembro de 2006
Outubro de 2006
Setembro de 2006
Agosto de 2006
Julho de 2006



29 de Julho de 2018

A FOME DO SER HUMANO
CENA 1 – Desço o elevador do CASA DAS CALDEIRAS de maneira apressada e atravesso a rua pra ir almoçar no Burger King, coisa que fazia rotineiramente no meu dia a dia da sede antiga da Loja dos Patins (www.lojadospatins.com.br).

Enquanto me deliciava com o almoço, percebo dois meninos à porta da lanchonete, à espera de uma boa ação. Não perco tempo: levanto, peço dois hambúrgueres e continuo comendo acompanhando o desenrolar dos dois.

Em pouco tempo os lanches ficam prontos. Ambos dão aquele sorriso típico do brasileiro, a mistura natural do malandro. Dão duas ou três mordidas no lanche, embrulham o “resto”, jogam no lixo e vão embora.

PAUSA. Pra além de terem jogado quase todo o lanche no lixo (O Whooper é enorme), deixaram a mesa toda bagunçada: guardanapo, picles, catchup, etc.

Fiquei com aquela pose de idiota, por pouco não corri até os dois, pegar pelo braço, dar uma lição de moral. Mas pra que? Ainda me iam acusar de bater em menores, ser coxinha, racismo, não tolerar os menos favorecidos.
A maior pobreza das pessoas não está nas poucas coisas que acumulam, mas no espírito.

.

CENA 2 – Ontem foi dia de mais um jantar da CREFISA. Todo aquele glamour, comida boa, lugar chique. Pessoas bem vestidas discutindo a modernidade do meu clube do coração (Dia 4 de agosto, votem SIM!).

Pouco antes da sobremesa, resolvi ir pra casa, recusar aquelas calorias de um (provavelmente imperdível) mousse de chocolate, como anunciava o cardápio.

Fui até a recepção, liguei o UBER pra solicitar um transporte. O aplicativo me informou que a corrida sairia pouco mais de R$ 35,00. Achei caro. Provavelmente por causa da hora, ou por haver poucos carros na região. Decidi ir andando até o metrô, caminhando pela avenida mais famosa de São Paulo.

Ainda no quarteirão do hotel, um carroceiro parado à porta de um restaurante me suplicou: “Por favor, me compre comida. Arroz, feijão, por favor!”. Lembrei-me dos moleques do Burger King, quase com certeza. Passei direto.

Respirei fundo, dei mais uns passos. Parei. Quanta angústia deve carregar na alma quem não consegue comprar a própria comida?

Entrei no restaurante, pedi uma marmita. Vi a reação desconcertante do gerente sem saber muito que fazer. Não conhecia e não tinha percebido que era um restaurante renomado (MORAIS, com várias placas de prêmio pela parede), mas apareceu um garçom pra me mostrar um prato barato, o mesmo que teria me custado o UBER.

Entreguei a quentinha pra o carroceiro que me agradeceu muito e confesso que fiquei um pouco receoso quando me apertou a mão – suja – mas era um protocolo a seguir.

Continuei minha caminhada, pensando várias coisas.

Não faço a menor ideia se o carroceiro ia comer só um pouco da comida e jogar o resto fora, como fizeram os meninos do Burger King. Também se ele merecia mesmo a comida que acabou de ganhar. Ou se o cozinheiro do restaurante faz um prato mais fuleiro, colocando alguma coisa encalhada na marmita, no meio daqueles gestos que trocaram no processo de produção.

EU FIZ O QUE A MIM PARECIA SER O CERTO.

.

- PÓS CENAS -

Uma amiga minha me disse que toda vez que eu posto uma boa ação que eu fiz, ela deixa de ter valor. Pois bem: prefiro acreditar que esses relatos inspirem pessoas a fazerem coisas parecidas, do que me julguem a ganhar créditos de confiança.

Até porque, nestes últimos anos, cada vez mais a opinião dos outros sobre mim pouco importa. Passei por situações extremamente decepcionantes. Meus grandes amigos não eram tão grandes assim. E das revoluções que eu tento fazer a cada dia por um mundo melhor, pode ficar só a impressão errada que eu sou apenas um encrenqueiro, quando na verdade, eu faço muito mais pelos outros do que faço a mim mesmo.

Interesseiros e mal agradecidos vão existir SEMPRE, em qualquer lugar. Mas que isso não sirva de motivação para você se fechar e deixar de ser bom para o mundo. Digo por mim mesmo: quem diria que meu dinheiro era mais importante que minha companhia? Deixem que falem o que quiserem, mas SEJA o que você é.

Muitos de vocês não fazem ideia da minha luta diária em deixar um mundo melhor pra todo mundo. Mas, dia após dia, os fatos se tornam inegáveis.

 




 
Marcelo Martins de Albuquerque - ©1997-2019 Todos os direitos Reservados